Sigam o blog

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Inquisição, um crime esquecido



Registro Histórico, 
Sangue nas mãos das Igrejas

Registrar o passado talvez nos traga dores das quais nunca nos curaremos, porém o hoje não existiria sem o ontem. Dessa forma falaremos um pouco mais sobre um dos maiores marcos que laceram a carne dos pagãos e soam como mera lembrança às dos povos monoteístas, falaremos um pouco sobre a Inquisição.
A história não deixou de registrar atrocidades e desmandos das religiões que deveriam servir de alicerces para a construção de um mundo novo, onde reinasse a paz e justiça, o amor pelo próximo, e a máxima da coerência e perdão. O mínimo que poderíamos esperar dos líderes e representantes da Cristandade seria a tolerância. 

Podemos perceber a barbárie que foi a Inquisição: uma caça a pessoas que pensavam diferentes do modo imposto por uma  tirania, que planejava estender suas influências a todos e viam em um certo grupo de pessoas  uma ameaça a seu poder.
Vendo estes fatos desconcertantes conclui-se a extensão da barbárie que ocorria durante o obscuro período da Inquisição. O modo das pessoas, taxadas de pagãs, pensarem foi o bastante para verter a brutalidade de Irejas que pregavam a seus fiéis a paz. Acusadas, sem alternativa, frente ao poderio das instituições, foram forçadas a reprimir sua cultura, além de perder, do modo mais brutal, suas vidas.

A ganância serve de mola para atrocidades que são cometidas por seres humanos. A fome pelo poder e riqueza levou a destruição de milhares de pessoas. Auxiliados por uma população analfabeta que se deixava influênciar pelas ditas “santas Igrejas” tornavan-se cegas perantes aos mais bárbaros atos de crueldade.
Abrir os olhos, sermos livres para pensar com livre árbitrio deve nos ser um direito e um dever, para que atrocidades como a Inquisição não retornem a manchar, a tão manchada, História da humanidade.
A paz deve ser cultuada como algo possível de se realizar e não posta em um pedestal inascessível.


“Todos os homens buscam a felicidade. E não há exceção. Independentemente dos diversos meios que empregam, o fim é o mesmo. O que leva um homem a lançar-se à guerra e outros a evitá-la é o mesmo desejo, embora revestido de visões diferentes. O desejo só dá o último passo com este fim. É isto que motiva as ações de todos os homens, mesmo dos que tiram a própria vida. ”
 (Blaise Pascal).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook