Sigam o blog

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Fanfic: Diamante Negro




Olá a todos,
 essa é uma pequena introdução a uma fanfic iniciada há muito tempo, na verdade um pedido de um grande amigo meu, e também a pedido dele venho postar o primeiro capítulo.
Esta fanfic é sobre a Saga Harry Potter, sou um apaixonado por ela, ela fez, faz e fará parte de minha vida. Mas agora vamos á ela, também deixo o convite para comentarem e talvez eu escreva mais sobre ela.



O Diamante Negro
Capítulo1
Um corredor escuro, sem portas e janelas, se abria a sua frente, engoli-a nas trevas da noite. De repente surge um rosto amado, um raio de sol na escuridão. Precisava alcançá-lo, mas como? O escuro era tangível, um veludo negro a sufocá-la. Um ponto, mais negro e ameaçador que as trevas que a cercavam, apareceu diante de seu amado. Precisava salva-lo. Mas estava longe demais, as paredes impediam-na de aparatar, aquele ser não podia tocar seu amor. Então uma voz ecoou pelos corredores, um esgar das trevas reinantes sobre o seu desespero. Aquele som retiniu em seus ossos e a fez parar. Diante de seus olhos aparecia à morte, o fim de tudo, olhos do rubi mais pútrido que conhecia assolaram sua mente.
Um grito mudo a fez acordar, suando frio, o sonho de sempre, assim que fechava os olhos o mesmo sonho vinha toda a noite. Por esse motivo dormia cada vez menos de medo de encarar a terrível verdade. Contudo não estava ali para resolver seus problemas, o motivo de estar sentada no Expresso de Hogwarts era para ajudar a reconstruir a Escola De Magia E Bruxaria De Hogwarts.
Amélia Frânçoá vinha para a Inglaterra a pedido de Madame Máxime diretora da Academia Beaxtonxs para ajudar na reconstrução de Hogwarts. Lera nos jornais as terríveis noticias da carnificina nos terrenos da escola e a queda do maior e mais temido bruxo das trevas, Lord Voldemort, o nome nunca a assustou, pois conhecia outros seres das trevas.
A ameaça do mundo bruxo não alterou tanto a vida francesa. É claro, ouve medidas de segurança muito rígidas tomadas pelo ministério francês, além da preocupação constante e o medo reinante do Lord das Trevas se voltar para a França. Contudo a vida continuava relativamente calma, com poucos estragos causados pelo Senhor das Trevas. Ao pisar em Londres o horror das barbáries cometidas por aquele bruxo pervertido a assolaram por completo. As casas mágicas estavam fechadas, as lojas do famoso Beco Diagonal em ruínas, até mesmo o mundo trouxa sofria visivelmente com grandes perdas nas construções da cidade. O pior de tudo não eram os bens materiais, mas as pessoas que estampavam o medo e o horror em seus rostos descarnados pela preocupação e sofrimento resultante da Guerra Bruxa.
Agora estava sentado no Expresso de Hogwarts  aguardando ver a destruição em que estava a escola mais famosa da Inglaterra, seu maior orgulho e ostentação destruída pelos caprichos de Lord Voldemort. Ali as feridas estariam mais sangrentas, os cortes profundos estavam abertos e precisavam ser fechados. Sua função era essa, fechar a carne exposta pela Guerra, para Amélia era uma forma de ajudar a fechar as suas próprias feridas.
O solavanco final da locomotiva a fez despertar de seus devaneios e traze-la de volta a realidade. Saiu de sua cabine, que ocupava sozinha, por ser uma estrangeira e ter estado dormindo na maior parte do tempo. Na porta da cabine olhou para os lados para ver quem ocupava o trem. Para sua surpresa viu uma pequena criança com a mãe a se balançar no portal da cabine e pensou que apesar das desgraças do mundo a vida continuava seu caminho indiferente a tudo.
Caminhando pelos corredores observava os rostos desconhecidos que mostravam a esperança de reconstruir suas vidas, em cima da alegria e da descontração. Perante aqueles rostos tristes e felizes ao mesmo tempo não podia deixar de sorrir. Com esse sentimento desceu as escadas no meio da multidão e sentiu que essa poderia ser sua nova vida.
Na estação de desembargue um homem enorme a tocou no braço e a cumprimentou.
­­­­­­­­­­            −Mademoiselle Amélia Frânçoá?
−Sim?
−Oh que bom. Sou Hagrid! Professor de Hogwarts.
−Que ótimo. Poderia me leva até... ehh...
−Minerva McGonagall?
−Sim é claro. Me desculpe, é que Madame Máxime...
−Madame Máxime? Ela lhe pediu para vir?
−Foi. Não é bem a minha área... na verdade eu nem ao menos sei muito bem o que irei fazer.
− Ah. Isso não é problema. Desde que... Desde que... Bem... A senhora compreende, desde o ocorrido temos muito trabalho para fazer e com certeza a senhora será bem vinda.
Ele ficou nervoso ao citar a tragédia, pensou Amélia, afinal é natural, esteve aqui, devo me acostumar com o modo de se referir a Batalha. Mas esse Hagrid parece ser um homem muito bom e simpático, mas os sentimentos fortes ainda o abalam. −Merci. E não me chame de senhora. Sou bem novinha ainda. Estou... como se pode dizer...
−Na flor da idade. Completou Hagrid já se sentindo mais a vontade com a francesa. E aproveitando da simpatia da nova integrante de Hogwarts perguntou.
  −Me desculpe se for atrevimento... mas é que a Mademoiselle não possui...
−O sotaque francês? Ahhh sempre me perguntam à mesma coisa. Vivi muito tempo na América e acabei perdendo os erres do sotaque, uma verdadeira lástima – acrescentou em tom irônico.
Hagrid não se segurou, e acabou dando um enorme sorriso, deixando a mostra todos os seus grandes dentes. −Não fique chateada. Cada um com seu sotaque ou, no seu caso sem ele. É as coisas são assim. Disse em tom bem mais descontraído do que o que adotara até agora. Vamos então, a diretora McGonagall já deve estar nos esperando.
Pelo caminho de carruagem até o castelo ficou a escutar aquele homem encantador, seu carisma é do tamanho de seu corpo. No seu rosto está estampada além da alegria a dor da perda. Améliaficou a olhar para os Testrálios a puxarem a carruagem, afinal podia vê-los também, perdera um ente amado como todos naquele castelo. Os cavalos da morte, seus ossos a transparecer por baixo da pele com um olhar vago e vazio de sentimentos. Debaixo dessa aparência um amável ser se escondia, será assim também com os humanos?
− Mademoiselle Amélia Frânçoá chegamos. Queira me acompanhar.
Seus devaneios foram quebrados e ela olhou nos olhinhos do homem bondoso a sua frente. Oh é claro. Me desculpe por estar detraída.
Ao descer da carruagem seus músculos estacaram. Um antigo e poderoso castelo lhe encheu os olhos e sem poder controlar as lágrimas, elas escorrem de seus olhos. Hagrid percebeu suas lágrimas e virou o rosto certamente para esconder suas próprias lágrimas de sofrimento.
− Por aqui...
E o homem gigantesco começou a guiá-la para dentro das ruínas. O antigo esplendor ainda existia, porém ocultado por um mar de destroço e ruínas. Lera no jornal que a escola estava depredada. Depredada, isso não é nem a milésima parte da realidade do que via. Conforme andava ia imaginando como foi a grande batalha, quantas vidas foram ceifadas. Entraram no pátio e não se viu um local desprovido de pedras, ferros e até mesmo restos de roupa e outros pequenos objetos espalhados pelo chão do pátio. O pior de tudo deve ter sido a retirada dos mortos, nossos irmãos, amigos, filhos, familiares que somos obrigados a encarar após a visita prematura da morte, lembrava-se muito bem do que era olhar o rosto vazio de quem perdemos e sabemos que nunca mais irá sorrir. Passaram rápido pelas portas de entrada e subiram as escadas, Amélia pode ver rubis espalhados pelo chão a lembrar o sangue perdido de muitos. Outras pedras preciosas jaziam no chã, mas ela não se dignou a olha-las. Nas escadas faltavam pedaços, muitas haviam caído, inúmeros quadros estavam espalhados pelo chão.
−Minerva ainda não se dedicou a reconstruir a escola. Ela está cuidando das famílias e mortos e Harry... Disse Hagrid. Nessa parte Hagrid rompeu o dique que represava e soltou as lágrimas. Ela entendia, compreendia que ainda não haviam recomeçado a reconstrução da escola.
−Hagrid... Eu sei...
− Me desculpe por isso. É que é doloroso pensar sobre isso...
− Não pense. Aonde devemos ir? Amélia falava em um tom consolador.
−Já chegamos, entre. Não vou subir me esperam na Floresta Negra para resolver alguns assuntos.
−Muito obrigada por me acompanhar. Sorrindo de forma amável para um homem tão emotivo.
− Agradeço a Mademoiselle. E desceu as escadas sorrindo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook