Sigam o blog

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Alvorecer


Alvorecer

Sob o acalentar dos celestes
Sentado sobre o veludo da relva
Na encosta da mais alta montanha
Açoitada pela brisa distante
Formada de antigas eras
De ecos passados
Trazendo dos vales o odor da vida
A face distante dos seres
Meras ilusões dentro dos limites da realidade
Distorções de um tecido
Que há muito deixou-se de fiar
Onde as linhas se entrelaçam no painel
Dos viveres brumosos
Caindo dos céus a neblina dos mundos
Fundindo o que é real do irreal
Trazendo o sorriso das estrelas
O olhas das montanhas
O corpo dos sonhos
Que se aproxima guiado pelo pulsar em mim
Suavemente repousa seu corpo sobre o meu
Embalado pelo cantar da brisa
Toca meus  lábios com o doce acalento
O olhar da dor pousado nos meus
Ao trazer o puro transmutar
Toco-lhe a face na esperança de sentir o marfim
Mas toco apenas a ilusão de um viver
Na linha do firmamento nasce o alvorecer
Sob as cortinas do irreal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook