Sigam o blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Resenha, Grande Sertão: Veredas



Grande Sertão: Veredas
João Guimarães Rosa

Ao lermos “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa, conhecemos o mundo dos jagunços, a vida do povo do sertão. E a primeira coisa que chama a atenção nessa obra, é o vocabulário, são palavras recitadas pelo povo, com a grafia própria da fala, tudo para tornar mais realista e pungente este volume.
O sertão, belo e cruel, representa a vastidão e complexidade da vida. Nós, humanos, possuímos um sertão incrustado em nosso ser. Riobaldo é um exemplo disso, ele é áspero, mas possui a delicadeza da alma. Riobaldo possui uma alma atormentada, ele se sente diferente das pessoas ao seu redor, é um questionador, mostra muita das falhas humanas. Deste homem rude, nasce à flor da mais bela filosofia. E é a sua ânsia por descobrir mais de si mesmo, que o leva a contar sua história para um estranho, podemos contar nossos maiores segredos a desconhecidos, pois eles nos ouvem agora, e amanhã nunca mais os vemos.

É nos descortinado o mundo do cangaço, os sofrimentos de pobres seres à mercê de seus líderes, que aceitam a morte de frente por lealdade a suas metas. Vemos a forma de pensar do cangaceiro, suas guerras, o desejo de tornar o sertão um lugar melhor para se viver. Porém a morte de Joca Ramiro, uma sórdida traição, pelas mãos de Hermógenes e Ricardão leva o bando a uma caçada desesperada atrás destes traidores, conhecidos, a partir de então como Judas. Vários combates e mortes violentas vislumbram-se ao longo do percurso. Riobaldo explica a seu ouvinte como tudo chegou a este ponto, então passa a narrar sua vida desde pequeno.

Quando tinha quatorze anos Riobaldo conhece um menino de sua idade, olhos de um verde profundo, que o fascina. Anos mais tarde ele reencontra esse menino, agora um homem, e se junta a ele e ao bando de Joca Ramiro. Esse menino se chamava Reinaldo, e o fascínio que produzia em Riobaldo só aumentou.
                                                                                                                     
      Diadorim em série de Televisão

A amizade entre eles era muito mais do que simples   
       amizade, entre eles surgiu o amor de formar incontrolável. O centro dos pensamentos de Riobaldo passam a ser Diadorim, este é o verdadeiro nome de Reinaldo, porém isto o deixa perturbado e sem ação. Afinal Diadorim é um homem, isto, porém, pode não ser tão simples quanto parece. Esse amor é uma forma sublime dum sentimento praticamente inexistente nos corações incertos dos jagunços do sertão.
Este livro nos faz ver que a vida destes homens é mais do que meras batalhas, disputas, podemos ver suas angústias e frustrações. Riobaldo entende que a guerra traz mais guerra e o amor traz mais amor, tudo isso para um homem do sertão. Como ele mesmo disse; “Viver é um negócio muito perigoso...”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook