Sigam o blog

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O Pavão Queixando-se a Juno


Fábula de la Fontaine
 A Juno, o pavão se queixa,
Dizendo: Ó deusa celeste,
Com razão de murmuro,
Pela má voz que me deste.

Sou ave tua; e, se quero
Entoar os teus louvores,
Estrujo os campos em torno
Com meus guinchos troadores.

O rouxinol tão mesquinho
Deleita, se a voz levanta;
É honra da primavera;
De ouvi-lo, o mundo encanta!

Irada, se torna Juno:
“Cala-te, néscio invejoso!
Por que desejas as vozes
Do rouxinol sonoroso?”

De ricas pedras ornada
Não parece a tua cauda?
O listrão de Íris brilhante
Em teu colo flutua?

Ave nenhuma passeia
Que pareça tão bem;
Em si, ninguém reunir pode
Quantos dotes os mais têm.

Repartiu seus dons com todos,
A profícua Natureza;
Às águias coragem deu,
Deu aos falcões ligeireza;

Por presságio, o corvo grasna,
O mocho nas mortes pia,
A gralha males futuros
Com seu clamor pressagia.

Do que são se apraze todos;
E se torno a ouvir queixar-te,
Dar-te-ei voz de Filomela,
Mas hei de as plumas tirar-te.

Não quis o invejoso a troca;
Que é nosso instinto invejarmos
Sempre o que os outros possuem, Sem o que é nosso largarmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook