Sigam o blog

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O rio das rosas


O rio das rosas
 
Caminhamos...
Em meio às flores
Flores mortas,
De uma primavera esquecida.
Esquecida em um mundo
Onde as cores se mesclam
Onde o véu da noite
Nunca cai
Onde o véu do dia
Nunca desce
 -------------

Neste mundo nós caminhávamos
Vi tu apanhares uma das rosas...
Negra
Como teu coração desesperado,
Quebrado pela dor...
Pela dor do passado
Onde nossa carne se desfaz.
A rosa que apanhaste
 Além das pétalas negras
Possuía também seus espinhos
Coroados com nosso medo
--------------







                             Pousaste tuas mãos sobre o medo
E ele perfurou tua carne
A gota rubra
Cai pelos espinhos
No esquecimento...
Em teu rosto vejo estampada a surpresa.
E não sei por quê.
Por quê?
Meu Amor
Tua face estampa mais que o medo
Mas também o toque gélido da morte
----------






Quando desvio meu olhar
Vejo uma gigantesca serpente
Levando consigo teu precioso rubi
Incrustados em suas escamas.
Em seus afiados marfins
Pontilhando-se de veneno
Ela leva mais que a morte...
Ela leva você...
---------

Desesperado
Olho para ti.
Como se o tempo houvesse parado
Vejo-te cair
Amparado pelas rosas
Manchando teu corpo
Mas teus olhos ainda brilham
Sua cabeça repousa entre o veludo das flores
Coloco tua cabeça em meu colo
Enquanto tu olhas o eterno alvorecer
----------

“— Por mais que caminhemos um dia temos de deixar de caminhar. Não posso mais te acompanhar pelos mundos. Em busca do eterno. Minha hora chegou. E fico feliz, por te ter ao meu lado.”
Após dizer o que seu coração dizia
Pude ver o brilho deixar-lhe a face
Aqueles olhos...
Antes a fonte do meu ser
Agora deixam de brilhar
---------

Com o sopro da vida que o deixou
Todo o mundo mudou
As rosas perderam suas pétalas
Formando um rio negro
De correnteza inquebrantável.
O céu escureceu.
E no mais distante do horizonte
Uma tênue linha de luz se formava.
O rio escoava em direção luz.
O corpo de meu amor
Já não jazia mais sobre meus braços
Ele flutuava em meio às pétalas
Maculando-as com um intenso vermelho
Sua pele alva destacava-se
Navegava como um navio sem seu comandante
A mercê das marés
--------

Meu coração...
Minha alma...
Não suportaram te perder neste rio.
Uma lágrima...
Escorria por minha face
E ao tocar o solo...
Pude sentir
Que a mesma serpente se enrolava em mim
--------
Ela enroscou-se em mim
Com seu corpo forte
Me abraçando suavemente
E eu nada fazia.
Ao chegar à altura de minha face
Ela afastou-se
Olhou dentro de meus olhos
E vi...
Vi o rosto de Meu Amor
Com esta última visão
A serpente me presenteou com seu beijo
Suas finas presas
Penetrando em minha carne
Apenas senti que caía
E como uma mãe
A serpente me amparou.
Meus olhos se fechavam...
E antes de deitar-me nos braços da Morte
Pude vê-lo
Meu Amor...
 







Um comentário:

  1. PARABENS SUAS POESIAS SÃO MARAVILHOSAS,E FAZEM MUITO BEM A ALMA .

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para mim, por favor deixe a sua opinião aqui.
Eu peço apenas que não utilizem palavras de baixo calão ou xingamentos, não modero os comentários, porém caso sejam apenas de ofensas serão excluídos, críticas serão sempre bem vindas.
Desde já muito obrigado,
Pallas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário pelo Facebook